#12 Olhar(es) | 14.set.21

#12 Olhar(es) | 14.set.21

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
 

30 anos em 10 filmes

O que faz de um filme um clássico? Os vários prêmios que recebeu ou o sucesso de bilheteria na época do lançamento? A relevância nos dias de hoje ou o impacto causado no momento da estreia?

Não existe resposta certa ou errada, já que muitos filmes que não foram sucesso de público, hoje são vistos como clássicos absolutos, assim como filmes que ganharam uma infinidade de prêmios e acabaram caindo no esquecimento ou simplesmente não envelheceram tão bem assim.

E qual não foi a nossa surpresa ao perceber que esses 10 filmassos estavam completando 30 aninhos?

  • Caçadores de Emoção | disponível no Amazon Prime Vídeo, Paramount +, Telecine Play, Globoplay, Now, TNT GO e Oi Play

COLÍRIO

Em seu décimo ano, o Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba decidiu olhar para o passado para, então, pensar sobre o futuro: a identidade visual deste ano é uma releitura da primeira edição do Olhar de Cinema, feita pelo Estúdio Tijucas, com os artistas @pedrogiongo e @francisco.benvenuto , também responsáveis pela criação visual da segunda e terceira edição do festival. Trata-se, então, de uma homenagem a todas as pessoas e obras que passaram pela sua história ao longo desse tempo, e também de um marco para esse ciclo de dez anos que se fecha para abrir um novo. Não por acaso, quem assina as ilustrações da identidade visual da décima edição é o artista Francisco Gusso, que revisitou o seu próprio trabalho para pensar uma arte que dialoga com a contemporaneidade a partir da trajetória do festival. A identidade visual da 10ª edição do festival conta também com o projeto gráfico e diagramação das artistas Milena Fransolino e Lívia Zafanelli @kijeux, também parceiras de longa data do festival. 🌈 ⭐️


INDICAÇÃO DA SEMANA // LIVRO

Aos 71 anos, Raimundo decide aprender a ler e a escrever. Nascido e criado na roça, não foi à escola, pois cedo precisou ajudar o pai na lida diária. Mas há muito deixou a família e a vida no sertão para trás. Desse tempo, Raimundo guarda apenas a carta que recebeu de Cícero, há mais de cinquenta anos, quando o amor escondido entre os dois foi descoberto. Cícero partiu sem deixar pistas, a não ser aquela carta que Raimundo não sabe ler ― ao menos até agora.

Com uma narrativa sensível e magnética, o escritor cearense Stênio Gardel nos leva pelo passado de Raimundo, permeado de conflitos familiares e da dor do ocultamento de sua sexualidade, mas também das novas relações que estabeleceu depois de fugir de casa e cair na estrada, ressignificando seu destino mais de uma vez.

“A magnitude deste romance está, primeiro, na invenção de um enredo poderoso sobre a dor da exclusão ― a exclusão da miséria, do analfabetismo, da solidão, do preconceito. E se completa com a força da linguagem que molda a história, palavra a palavra, na tradição dos grandes narradores brasileiros.” ― Socorro Acioli, autora de A cabeça do santo.

Você pode adquirir o livro aqui.

 

O autor Stênio Gardel


CINEMA EM CASA // MOSTRA TATURANA DE CINEMA

 

De 14 a 19 de setembro, acontece a 2° Mostra Taturana de Cinema. Nesta edição, o fio condutor são duas pautas urgentes e indissociáveis no cenário mundial: Democracia e Antirracismo.

Em parceria com a Associação de Profissionais do Audiovisual Negro (@associacaoapan), Coalizão Negra Por Direitos (@coalizaonegrapordireitos) e Wonder Maria Filmes (@wondermariafilmes) a Taturana Mobilização Social preparou uma programação que celebra a potência transformadora do cinema negro e indígena.

Filmes, debates, oficinas e muito mais farão parte da Mostra, que este ano tem conexão direta com Portugal. 

A maior parte da programação será pela plataforma @todesplay , mas haverá atividades ao ar livre também!

Entre os filmes que serão exibidos estão “Cavalo” (Brasil, 2020, dir. Rafhael Barbosa e Werner Salles Bagetti); “Nhemonguetá Kunhã Mbaraete” (Brasil, 2020, dir. Michele Kaiowá, Graciela Guarani, Patrícia Ferreira Pará Yxapy e Sophia Pinheiro); “Raízes” (Brasil, 2020, dir. Simone Nascimento e Well Amorim); “Travessia” (Brasil, 2017, dir. Safira Moreira); “O Caso do Homem Errado” (Brasil, 2017, dire. Camila de Moraes); “Chico Rei Entre Nós” (Brasil, 2020, dir. Joyce Prado); “Joãosinho da Goméa – O Rei do Candomblé” (Brasil, 2019, dir. Janaina Oliveira ReFem e Rodrigo Dutra); “A Sússia” (Brasil, 2018, dir. Lucrécia Dias); “Pontes Sobre Abismos” (Brasil, 2017, dir. Aline Motta); “Thinya” (Brasil, 2019, dir. Lia Letícia); “Sementes: mulheres pretas no poder” (Brasil, 2020, dir. Éthel Oliveira e Júlia Mariano); “Ipa | Ipá” (Brasil, 2020, dir. Thais Scabio); “O Bocado da Cova da Moura que Há em Nós” (Portugal, 2014, 21′, dir. Edson Diniz e Edu Semedo) e “Bastien” (Portugal, 2016, dir. Welket Bungué), entre outros. 

Todos os longa-metragens ficarão disponíveis durante 48h e os curtas poderão ser assistidos durante toda semana em que acontece o evento.


FIQUE DE OUVIDO // MULHER NO CINEMA

 

 

Mulher no Cinema é um site que celebra o trabalho das mulheres nas telas.

Foi criado em 2015 e é escrito pela jornalista Luísa Pécora.

A desigualdade de gênero no cinema, especialmente por trás das câmeras, é realidade em diferentes cinematografias. Só 16% dos filmes brasileiros lançados nos cinemas em 2017 foram dirigidos exclusivamente por mulheres – nenhuma delas negra. Em 93 anos de Oscar, duas mulheres ganharam o prêmio de direção e só outras cinco foram indicadas. Criado em 1946, o Festival de Cannes só premiou duas diretoras com a Palma de Ouro. Estudos apontam que personagens femininas em geral têm menos falas e mais cenas de nudez do que personagens masculinos. Halle Berry continua sendo a única mulher negra a ganhar o Oscar de melhor atriz e Viola Davis e Zendaya, as únicas a ganharem o Emmy de atriz de drama. Da mesma forma, no cinema brasileiro mulheres negras são o grupo menos representado em frente e por trás das câmeras.

Dados como esses levaram à criação do Mulher no Cinema, que divulga e discute o trabalho das profissionais da indústria cinematográfica, publicando entrevistas, vídeos, críticas e pesquisas, além de reunir as principais notícias sobre o assunto. O objetivo é tanto dar espaço às mulheres que fazem cinema quanto colocar o público em contato com o trabalho delas.

 

FACEBOOK  |  INSTAGRAM  |  TWITTER  |  YOUTUBE  | EMAIL


FILMES OLHAR

 

Fernando, um falido cineasta brasileiro, cresceu assombrado pelas memórias violentas de seu avô e assombrado pelo espírito de um homem moçambicano que lhe prometia riquezas e glória. Acossado pelo atual estado político e cultural de seu país, o cineasta mergulha em uma jornada de desventuras e inesperados milagres, em busca de fantasmas do passado. Uma provocativa e tragicômica fábula tropical. Direção: Felipe Bragança

Um Animal Amarelo está sendo exibido na www.salamaniva.com. Assista!


Encerramos com as palavras da diretora Jane Campion, que não dirigia um filme há 12 anos e acaba de ganhar o prêmio de Melhor Direção no Festival de Veneza com seu novo filme “The Power of The Dog”, que estreará na Netflix em dezembro.

 

Tudo o que posso dizer é que, desde que o movimento MeToo aconteceu, sinto uma mudança no clima. É como o muro de Berlim caindo ou o fim do apartheid para nós, mulheres.

Boa semana, usem máscara e cuidem-se.


OUTROS POSTS

TUDO CERTO!

Agradecemos a sua mensagem.

Caso precise de alguma outra informação, por favor entre em contato através das nossas redes sociais.

Para você que ama cinema.

Assine nossa newsletter quinzenal e receba conteúdos exclusivos.

Usamos cookies em nosso site para fornecer a experiência mais relevante. Ao clicar em “ACEITAR”, você concorda com o uso de todos os cookies, termos e políticas do site. Leia Mais

TUDO CERTO!

Agradecemos o seu cadastro.

Agora você faz parte de um seleto grupo que recebe as nossas notícias em primeira mão!