Os Ossos da Saudade

Os Ossos da Saudade

Brasil, 2021. Doc. Cor. 107 min.


Sinopse
/

Um filme sobre a ausência, narrado a partir das vivências de pessoas que experimentam sentimentos de falta e distância, espalhados por Brasil, Portugal, Angola, Moçambique e Cabo Verde. O corpo, a paisagem, a memória e o tempo. Uma viagem pelos territórios da memória, da representação e do pertencimento.

Nota da Direção

Existe uma tese lingüística que defende que a palavra SAUDADE – que define de maneira tão precisa o sentimento de falta – só existe na língua portuguesa porque, durante o período das navegações, os lusitanos eram grandes viajantes. Seres errantes que cruzavam os mares por meses, anos e, até mesmo, décadas, deixando para trás sua terra e sua gente. Lançando mão de uma narrativa fragmentada, que segue os imprecisos e pouco nítidos territórios da memória, OS OSSOS DA SAUDADE nos apresenta um panorama sobre singularidades e semelhanças culturais, afetivas e existenciais presentes em distintas pessoas que dividem conosco seus atos de recordar. O filme mergulha no interior de seus personagens em busca de recordações profundas. Histórias de infância, fragmentos sobre o passado, confissões cotidianas, relatos de viagem… Os cenários são muitos. Um cemitério de navios, uma igreja em ruínas, uma fábrica abandonada, um vulcão inativo, uma aldeia de pedra, uma mina desativada, uma imensa salina, um deserto, uma cidade imersa na areia, uma casa desabitada, o mar e suas profundezas… Habitando estes espaços, o filme flutua por arqueologias pessoais e afetivas, flanando por memórias e lembranças de pessoas entregues a pensamentos que não se engessam em modelos estáticos e a olhares que não se fixam em cronologias lineares ou em cartografias precisas. Entre a fábula e o fato, afloram paisagens externas e internas, onde falta, memória e esquecimento caminham juntos na construção de uma obra que busca acolher os tempos do mundo e subverter as dimensões espaço-temporais da memória.

A Equipe Que Fez Tudo Acontecer

Direção
Marcos Pimentel
Produção Executiva
Luana Melgaço
Roteiro
Marcos Pimentel e Ivan Morales Jr.
Direção de Fotografia
Matheus Rocha
Som Direto
Bruno Vasconcelos
Montagem
Ivan Morales Jr.
Edição de Som e Mixagem
Bruno Vasconcelos
Produção
Tempero Filmes
Anavilhana

Fotografia Still

O fotógrafo Matheus Rocha fez um lindo trabalho de fotografia still para o filme.

Os Ossos da Saudade

Brasil, 2021. Doc. Cor. 107 min.

Sinopse / Um filme sobre a ausência, narrado a partir das vivências de pessoas que experimentam sentimentos de falta e distância, espalhados por Brasil, Portugal, Angola, Moçambique e Cabo Verde. O corpo, a paisagem, a memória e o tempo. Uma viagem pelos territórios da memória, da representação e do pertencimento.

Nota do Diretor

Existe uma tese lingüística que defende que a palavra SAUDADE – que define de maneira tão precisa o sentimento de falta – só existe na língua portuguesa porque, durante o período das navegações, os lusitanos eram grandes viajantes. Seres errantes que cruzavam os mares por meses, anos e, até mesmo, décadas, deixando para trás sua terra e sua gente. Lançando mão de uma narrativa fragmentada, que segue os imprecisos e pouco nítidos territórios da memória, OS OSSOS DA SAUDADE nos apresenta um panorama sobre singularidades e semelhanças culturais, afetivas e existenciais presentes em distintas pessoas que dividem conosco seus atos de recordar. O filme mergulha no interior de seus personagens em busca de recordações profundas. Histórias de infância, fragmentos sobre o passado, confissões cotidianas, relatos de viagem… Os cenários são muitos. Um cemitério de navios, uma igreja em ruínas, uma fábrica abandonada, um vulcão inativo, uma aldeia de pedra, uma mina desativada, uma imensa salina, um deserto, uma cidade imersa na areia, uma casa desabitada, o mar e suas profundezas… Habitando estes espaços, o filme flutua por arqueologias pessoais e afetivas, flanando por memórias e lembranças de pessoas entregues a pensamentos que não se engessam em modelos estáticos e a olhares que não se fixam em cronologias lineares ou em cartografias precisas. Entre a fábula e o fato, afloram paisagens externas e internas, onde falta, memória e esquecimento caminham juntos na construção de uma obra que busca acolher os tempos do mundo e subverter as dimensões espaço-temporais da memória.

A Equipe Que Fez Tudo Acontecer

Direção
Marcos Pimentel
Produção Executiva
Luana Melgaço
Roteiro
Marcos Pimentel e Ivan Morales Jr.
Direção de Fotografia
Matheus Rocha
Som Direto
Bruno Vasconcelos
Montagem
Ivan Morales Jr.
Edição de Som e Mixagem
Bruno Vasconcelos
Produção
Tempero Filmes
Anavilhana

Fotografia Still

A fotógrafa Matheus Rocha fez um lindo trabalho de fotografia still para o filme.

TEM ALGUMA PERGUNTA SOBRE ESSE FILME?

DEIXE SUA MENSAGEM E ENTRAREMOS EM CONTATO O MAIS BREVE POSSÍVEL.

TEM ALGUMA PERGUNTA SOBRE ESSE FILME?

DEIXE SEU CONTATO E ENTRAREMOS EM CONTATO O MAIS BREVE POSSÍVEL.

TUDO CERTO!

Agradecemos a sua mensagem.

Caso precise de alguma outra informação, por favor entre em contato através das nossas redes sociais.

Usamos cookies em nosso site para fornecer a experiência mais relevante. Ao clicar em “ACEITAR”, você concorda com o uso de todos os cookies, termos e políticas do site. Leia Mais