‘Uma cela que cabe 12 presos tem 55’, dizem agentes penitenciários

‘Uma cela que cabe 12 presos tem 55’, dizem agentes penitenciários

Share on facebook
Share on twitter
Share on email

Na última sexta-feira, 9 de junho, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal tomou uma decisão que chamou a atenção sobre o sistema prisional brasileiro. O órgão determinou a saída temporária por três dias de presos em regime semiaberto e com bom comportamento. Para ter direito à saída, os presos precisam comprovar um endereço fixo onde precisam ficar durante o período e também precisam cumprir regras como estar em casa após às 18 horas e não frequentar bares.

A Sputnik Brasil conversou com exclusividade com Leandro Allan, presidente do Sindicato dos Agentes de Atividades Penitenciárias do Distrito Federal (SINDPEN-DF), sobre a saída temporária e as condições do sistema prisional brasileiro.

Para Allan, atualmente o Distrito Federal não tem conseguido cumprir com a fiscalização dos requisitos que são feitos aos presos do regime semiaberto que têm direito às saídas temporárias. Ainda assim, a grande maioria dos presos cumpre com os prazos. “Um índice muito pequeno [de presos] não volta. A maioria maciça volta para o cárcere”.
A Sputnik Brasil entrou em contato com a Secretária de Segurança Pública e Paz Social do Distrito Federal para obter informações sobre o número de presos que obtiveram o direito à saída temporária e suas taxas de retorno, mas até a publicação deste texto não obteve resposta.

O levantamento mais recente sobre a população carcerária no Brasil revela um sistema profundamente superlotado. São 371.884 vagas e 622.202 presos. Esse quadro coloca o Brasil como a quarta maior população carcerária do mundo, atrás apenas de Estados Unidos, China e Rússia, respectivamente. De cada 3 presos, dois são negros, enquanto na sociedade brasileira a porcentagem de negros é de 51%. Os números são do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias de 2014, do Ministério da Justiça.

“Uma cela que cabem 12 pessoas têm 55. [Uma cela] tem cama para três e recebe 20 pessoas, então usam o chão, usam o espaço aéreo, dormem dentro dos banheiros. O sistema penitenciário brasileiro tem que passar por uma revisão. Nós queremos sim que o criminoso cumpra sua pena, pague para a sociedade por não cumprir as regras legais e sociais, mas o Estado tem que implantar políticas públicas que façam o melhoramento dos apenados, para que eles voltem para a sociedade melhor do que entraram”, diz Allan.

O diretor do SINDPEN destaca que faltam funcionários nas unidades prisionais e que a superlotação cria um ambiente “tenso”.

“Você trabalha em um ambiente tenso, insalubre, perigoso. Um dos geradores de rebelião é a superlotação. Se você trabalha em um lugar que está superlotado, você já tem em mente que a qualquer momento pode acontecer uma rebelião, um motim, e é ruim para o agente penitenciário porque ele é uma das vítimas nesse caso.”

OUTROS POSTS

Política de Privacidade

Termos de uso

Vagas de Emprego

FIQUE POR DENTRO DE TODAS AS NOVIDADES DA OLHAR

TUDO CERTO!

Agradecemos a sua mensagem.

Caso precise de alguma outra informação, por favor entre em contato através das nossas redes sociais.

Para você que ama cinema.

Assine nossa newsletter quinzenal e receba conteúdos exclusivos.

TUDO CERTO!

Agradecemos o seu cadastro.

Agora você faz parte de um seleto grupo que recebe as nossas notícias em primeira mão!